MAZINHO DEBATE O FUTURO DO SETOR DE EVENTOS EM VITÓRIA

  • Post category:Blog

Novos formatos para eventos, redução das aglomerações e regras mais rígidas de higienização. Como será o cenário do mercado de eventos, em Vitória, e no mundo, quando a pandemia do coronavírus perder força? Para responder a essas questões, Mazinho se reuniu, ontem, quinta-feira (7), com Felipe Fiorotti, sócio-proprietário da Brava Eventos e maior produtora do Espírito Santo.

O bate-papo foi em torno de três temas: o cenário atual, o processo de reabertura e o diálogo com o Poder Público. 

O CENÁRIO ATUAL

“Em qualquer lugar do mundo os segmentos de shows e entretenimento pararam em sua grande maioria e em Vitória não está sendo diferente. Nós estamos totalmente paralisados, sem perspectiva para realizar um evento e tentando ajudar os nossos colaboradores da melhor forma”, comentou Fiorotti. 

Segundo ele, a crise no setor, que já é grave na Capital, se intensificou.

“As casas de show ficaram paralisadas durante toda programação de verão e do Carnaval, ou seja, sem receitas. Em março, depois de mais ou menos 45 ou 60 dias paradas, quando as atividades seriam retomadas, parou tudo e estamos sem perspectiva nenhuma de reabrir as portas”, explicou. 

O PROCESSO DE REABERTURA

Em um segundo cenário, há muitas expectativas que dependem do pico da transmissão para a retomada do calendário de eventos de forma escalonada. No entanto, segundo Fiorotti, essa é uma alternativa incerta.

“O problema é que esses planejamentos são baseados no pico da transmissão e nós não sabemos quando isso vai acontecer. Talvez, a saída para a retomada sejam os protocolos de biossegurança. Porém, isso também pode comprometer a viabilidade do evento. E num futuro imediato, num pior cenário, a saída seria investir em eventos menores ou em grandes áreas abertas, mas com a capacidade reduzida ”, contou.

Por outro lado, ele acredita que de médio a longo prazo o setor sairá forte.

“O ingrediente base da nossa atividade é o encontro e esta é uma necessidade humana que é absolutamente insaciável e é o core do nosso negócio”. 

DIÁLOGO COM O PODER PÚBLICO

Para ajudar na retomada dos eventos, é importante o diálogo com o governo para desenvolver estratégias e políticas que fortaleçam o setor. Segundo o empresário, essa conversa é fundamental para a retomada rápida dos eventos.

“É fundamental que entre as incertezas tenhamos todos os esforços possíveis do governo para retomar as atividades de maneira sustentável, como, por exemplo, os incentivos fiscais já propostos pela Associação Brasileira de Promotores de Eventos (Abrape). Sem incentivo, o setor não volta da forma como antes. Por isso, nós precisamos do Poder Público para discutir os caminhos a serem seguidos antes de voltarmos a fazer os eventos acontecerem novamente”, disse. 

PROGRAMAÇÃO DE LIVES

O bate-papo com o empresário Felipe Fiorotti sobre os eventos em Vitória foi o segundo de uma série de lives, organizadas por Mazinho, que são transmitidas pelas suas redes sociais para falar sobre os impactos das medidas de restrições impostas no combate à COVID-19. 

O primeiro debate, teve a participação de Doreni Caramori, sócio-fundador da empresa Blueticket e presidente da Abrape, com o tema “Como será o mercado de festas e eventos pós-crise”, que também rendeu uma boa discussão sobre o setor neste momento delicado em que estamos vivendo.

Deixe uma resposta