fbpx
Confira os principais trechos da live sobre o impacto da COVID-19 no setor de eventos

Confira os principais trechos da live sobre o impacto da COVID-19 no setor de eventos

A live realizada pelo vereador Mazinho dos Anjos (PSD), ontem, 29 de abril, com Doreni Caramori, sócio-fundador da empresa Blueticket, presidente da Associação Brasileira de Promotores de Eventos (Abrape) e organizador do Folianópolis, com o tema “Como será o mercado de festas e eventos pós-crise”, rendeu uma boa discussão sobre o setor neste momento delicado de restrição que o Brasil está vivendo devido à Covid-19.

A live foi dividida em três blocos: a volta dos eventos, as regras de cancelamento e adiamento de eventos agendados, como o setor pode conseguir passar por cima da crise e, por último, a fase de perguntas.

Veja os principais pontos abordados:

A volta dos eventos 

“Para a retomada dos eventos precisamos considerar as seguintes variáveis: a capacidade de atendimento da saúde pública, que difere de região para região, a necessidade do retorno gradual, mas contínuo das atividades econômicas, e as demandas da população.

Essa equação não tem data certa, uma resposta exata, mas ela precisa ser enfrentada. E o nosso papel, enquanto setor, é procurar estabelecer os protocolos de controle, que vão de mais a menos rígidos, conforme as curvas de contágio. E daí passar essas propostas ao setor público, debatê-las para que possamos chegar a um formato possível para o retorno desses eventos.

A aglomeração de público não pode ser vista como algo intransponível. Ela existe no momento e nós teremos que vencê-la com equilíbrio, preservando a saúde de todos, mas também a volta dessas atividades que oferecem lazer a todos”. 

Regras de cancelamento e adiamento de eventos agendados

“Antes da Medida Provisória, a Abrape já tinha feito um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), com a Secretaria Nacional do Consumidor, órgão do Ministério da Justiça, e com a Associação do Ministério Público do Consumidor, que estabeleceu as regras para a nossa cadeia de eventos. Elas são muito parecidas com as regras da MP que acabou, no final, consolidando a TAC.

Quais são essas regras, basicamente? Ela desobriga a devolução imediata, mas obriga o setor a fazer as remarcações e as devoluções em caso de eventos cancelados, e também estabelece os acordos individuais. Essa MP vai tramitar no Congresso Nacional e ainda pode sofrer alterações.

Porém, isso já reduziu muito os cancelamentos, os reembolsos e a judicialização, tanto na indústria de eventos, quanto em toda a cadeia do Turismo”. 

Como superar essa crise?

“Quando começou a restrição das nossas atividades, a gente fez um trabalho muito forte com o Setor Público no sentido de buscar medidas que nos protegesse durante o período parado, e essas medidas se dividiram em quatro blocos: manutenção das relações de consumo, medidas de contenção do desemprego e sua manutenção, e cada região tem uma característica, os informais.

O governo acertou em fazer o cadastramento, com as medidas de suspensão de trabalho, redução de jornada e consequentemente de remuneração, um bloco tributário, para que as empresas não morressem durante a restrição, e outro ligado ao crédito, lembrando que o setor não tem muitos ativos reais, físicos, eles são mais intangíveis, e isso não pode ser usado para garantir operações.

Por isso,  estamos trabalhando para resolver a questão. Essas medidas impactaram positivamente no setor”.

Programação de lives

O debate com o empresário Doreni Caramori foi a primeira programação de uma série de lives, organizadas por Mazinho, que serão transmitidas pelas suas redes sociais para falar sobre os impactos das medidas de restrições impostas no combate a COVID-19.

Deixe uma resposta